PARTIDO AO MEIO – PT vive dilema de ser mero coadjuvante na sucessão de Montes Claros

Parcela do PT de Montes Claros avalia ter sido um erro não ter “trabalhado” a hipótese de candidatura própria para a eleição municipal de outubro. Por quê? Por entender que o papel de coadjuvante não fica bem para o partido que tem um presidente com índices de aprovação nas alturas e um governo que, na avaliação interna, é sucesso absoluto ao reduzir a histórica desigualdade entre ricos e pobres no país. O desconforto é maior ainda porque, em Belo Horizonte, o PT abre mão de 16 anos no comando do município para apoiar a candidatura de Márcio Lacerda (PSB) à prefeitura local, em arranjo eleitoral que beneficia mais os projetos pessoais do governador Aécio Neves (PSDB) e do atual prefeito, Fernando Pimentel.
O desconforto de parte do PT de Montes Claros tem razão de ser. A cúpula partidária local articulou apenas para a troca de Sued Botelho, o vice do atual prefeito Athos Avelino (PPS), por um nome mais próximo dos deputados Paulo Guedes (estadual) e Virgílio Guimarães (federal). Até aqui, a opção para formar a nova dobradinha na tentativa de reeleição do prefeito Athos é o engenheiro Marcos Maia, que preside a Empresa Municipal de Serviços, Obras e Urbanização (Esurb).
Leia a matéria completa AQUI no blog de Luís Cláudio Guedes
Anúncios
Esta entrada foi publicada em Sem categoria. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s