Candidato de Paulo Guedes em Januária perde antes da hora

A corte do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais(foto), reunida no início da noite de ontem, decidiu, por cinco votos a zero, que o candidato a prefeito de Januária Silvio Aguiar não pode concorrer às eleições deste ano devido ser ele concessionário de serviço público e não ter se descompatibilizado no prazo legal. O prefeito Sílvio é o candidato do deputado Paulo Guedes, do “PT”.
O candidato do Partido dos Trabalhadores em Januária é o bancário Manoel Jorge, da Coligação Januária é Possível.
Por Fábio Oliva
Januária já perdeu cerca de três décadas de desenvolvimento. O município de 64.983 habitantes e 6.691 Km2 já foi o maior de Minas Gerais em extensão territorial e a segunda maior economia da região norte do Estado. Os moradores ainda se lembram do tempo em que Januária tinha prestígio com os governadores de Estado e era respeitada pela pujança de sua economia, liderada por um rebanho bovino que se aproximava das 80 mil cabeças e pela produção de cachaça que era reconhecida como a melhor do Brasil. Sucessivas administrações desastrosas, entretanto, deixaram à mostra o quanto a corrupção pode atrasar o desenvolvimento econômico e social de um município, mergulhando-o por décadas em caos administrativo e financeiro. Aos poucos Januária foi perdendo prestígio, involuiu e atualmente é conhecido como um dos mais corruptos do país. O estrago provocado pela corrupção no município se reflete em seu baixo índice de desenvolvimento humano (0,699). Esse índice contrasta com o fato de Januária ser o segundo município do norte de Minas que mais recebe verbas públicas federais. (…)
Analistas políticos e empresários respeitados não hesitam em dizer que o prefeito tem conseguido fazer prevalecer uma situação que se repete em Januária há pelo menos três décadas: cada prefeito que entra, consegue ser pior do que o que sai ou é tirado do cargo. (…)
As maiores críticas que o comerciante ouve são em relação ao time escalado pelo prefeito para assessorá-lo. (…) A maioria das contratações atendeu a critérios políticos, demonstrando que Sílvio Aguiar não poupou os cofres públicos ao fazer uso eleitoral da máquina administrativa.
Fonte Aqui
Anúncios
Esta entrada foi publicada em Sem categoria. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s