Petistas decidem radicalizar projeto de governo de Dilma

Partido do presidente Lula reforçou guinada à esquerda ao aprovar emendas e apresentar mudanças durante congresso nacional
O PT decidiu radicalizar o programa de governo da ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, que será aclamada neste sábado (20) como candidata do partido à sucessão do presidente Lula com um discurso contundente de herança governista. A guinada à esquerda foi reforçada ontem, quando o 4º Congresso Nacional do partido aprovou emendas às diretrizes do programa de governo de Dilma.
As mudanças pregam o combate ao monopólio dos meios de comunicação, cobrança de impostos sobre grandes fortunas, apoio incondicional ao polêmico Plano Nacional de Direitos Humanos e jornada de trabalho de 40 horas semanais sem redução do salário.
Na tentativa de se aproximar do Movimento dos Sem-Terra (MST), o plenário petista também deu sinal verde para encaixar na plataforma da campanha de Dilma a atualização dos índices de produtividade para efeito de reforma agrária. Intitulado A Grande Transformação, o documento manteve o mote do projeto nacional de desenvolvimento, com ampliação do papel do Estado na economia e fortalecimento dos bancos públicos.
O controle da mídia foi aprovado no eixo das diretrizes que tratam do acesso à comunicação. O trecho que passou pelo crivo do congresso diz que as medidas para promover a democratização da comunicação social devem ser voltadas para “combater o monopólio dos meios eletrônicos de informação, cultura e entretenimento”.
O texto cita como parâmetro resoluções da 1ª Conferência Nacional de Comunicação (Confecom), realizada em dezembro. A reativação do Conselho Nacional de Comunicação Social, o fim da propriedade cruzada, a exigência de porcentagem de produção regional, a proibição de sublocação de emissoras e direito de resposta coletivo também recheiam o pacote aprovado.
“Polêmica sempre há no PT, mas vamos submeter as decisões a um processo suprapartidário”, resumiu o ex-presidente do PT, deputado Ricardo Berzoini (SP). “Estamos aprovando diretrizes que o PT entende como corretas, mas tudo será apresentado à candidata, à sociedade e aos partidos”, reforçou o novo presidente do partido, José Eduardo Dutra.
Em entrevista ao Estado, publicada nessa sexta (19), Lula disse que nos congressos do PT sempre aparecem teses para todos os gostos. “É que nem uma feira de produtos ideológicos”, comparou. “As pessoas compram o que querem e vendem o que querem.” Lula observou, porém, que o PT terá “sabedoria” para não jogar fora a experiência acumulada em quase oito anos de governo. “Isso é riqueza que nem o mais nervoso trotskista seria capaz de perder.”
Ao fazer questão de destacar na plataforma de Dilma a defesa do Plano de Direitos Humanos, o PT também incluiu no texto o apoio à Comissão da Verdade para “esclarecimento público dos casos de tortura, assassinatos e desaparecimentos políticos”.
Após saber que a jornada de 40 horas semanais fora encaixada no texto sem a cautela anterior – que previa a construção de consenso sobre o assunto -, a senadora Ideli Salvatti (PT-SC), afirmou que a bandeira pode virar letra morta. “No fim das contas, quem decide isso é o outro Congresso.”
Além do Plano de Direitos Humanos, outra emenda que promete polêmica diz que as Forças Armadas devem respeito à “diversidade homoafetiva”. Por pouco não passou, também, a retomada do monopólio do petróleo. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.
Esta entrada foi publicada em Sem categoria. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s