Vice-presidente, José Alencar, sofre golpe do falso seqüestro

O vice-presidente da República, José Alencar, foi transformado na noite de domingo em mais uma vítima do golpe do falso seqüestro, segundo reportagem publicada na edição de hoje do Jornal do Brasil.
Baseado em relato do próprio Alencar à jornalista Hildegard Angel, o texto da reportagem diz o seguinte:
“Sem empregados em casa, em Ipanema, ele mesmo atendeu ao toque do telefone, aceitando a chamada a cobrar e ouvindo, do outro lado da linha, o choro forte de uma jovem, que ele julgou fosse uma de suas filhas. Ela apelava, desesperada:
‘Meu pai, meu pai, me pegaram, meu pai, estou amarrada, paga logo eles para eles me soltarem, meu pai!’. Ato contínuo, um suposto sequestrador assumiu o telefone anunciando que a moça estava em seu poder e exigindo R$ 50 mil de resgate.
Muito tenso, Alencar tentou argumentar, alegando não ter, àquela hora, tal soma.
‘Não sou do Rio, não tenho tudo isso aqui!’.
O criminoso, irredutível, também pediu joias. Alencar explicou que sua mulher, muito religiosa, fizera promessa e não as tinha. Depois de negociar sob pressão emocional, ouvindo o choro da ‘filha’ ao fundo, Alencar conseguiu baixar para R$ 20 mil e, em seguida, sem desligar, acionou o empresário Walter Moraes:
‘Preciso pegar R$ 20 mil com urgência no Banco do Brasil’.
O amigo se prontificou, ouvindo:
‘Então manda providenciar para mim, é uma emergência, é uma emergência’.
Enquanto aguardava pelo dinheiro, ainda ao telefone, o interlocutor fez a pergunta:
‘Você trabalha com o quê?’. E ele: ‘Eu sou vice-presidente da República do Brasil’. E o bandido: ‘Qual é seu nome?’. ‘José Alencar Gomes da Silva’. Ato contínuo, o bandido desligou.
A segurança da Vice-Presidência apura a origem do telefonema, que, tudo leva a crer, foi mais um a partir de presídios, que, por mais que a população sofra, continuam a receber sinal das empresas de telefonia móvel, mais afeitas ao seu lucro do que às necessidades da população.
(…) Com experiência na investigação desse tipo de crime, o titular da Divisão Anti-Sequestro da Polícia Civil, Marcos Reimão, fez críticas ao atual modelo adotado pelas operadoras de telefonia móvel do país. Segundo ele, a preocupação com o lucro permite que clientes estejam cadastrados nos bancos de dados das empresas sem informações básicas que poderiam solucionar casos de extorsão por telefone.
‘O interesse público nunca foi prioridade para as operadoras, já que a parte financeira está acima de tudo e de todos’, reclama Reimão”.

JB Online

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Sem categoria. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s